Os controladores de nivel
Informação profissional para a agricultura portuguesa
“Os fabricantes de máquinas agrícolas têm muito orgulho naquilo que fazem”

Entrevista com Jelte Wiersma, Secretário-geral da CEMA

Ángel Pérez13/09/2023

A Associação Europeia de Fabricantes de Máquinas Agrícolas (CEMA) esteve presente na Demoagro com o seu secretário-geral, Jelte Wiersma, que manifestou explicitamente o seu apoio pelo evento organizado pelo seu membro espanhol, ANSEMAT.

Jelte Wiersma, na propriedade “La Plaza”, em Rueda
Jelte Wiersma, na propriedade “La Plaza”, em Rueda.

Acabou de completar os seus primeiros seis meses de mandato. Quais são as suas primeiras impressões?

Considero a CEMA uma organização fantástica. Somos apenas seis pessoas em Bruxelas (Bélgica), mas mais de 450 pessoas estão envolvidas nas nossas atividades. Naturalmente, o mais importante são as nossas doze associações nacionais, incluindo a ANSEMAT espanhola, e temos uma forte presença na Europa, incluindo no Reino Unido e na Turquia, tendo agora expandido com a adição da Polónia. Em suma, temos membros de pleno direito (Espanha, Reino Unido, Dinamarca, Países Baixos, Bélgica, França, Alemanha, Itália, Áustria e Polónia) e um membro associado (Turquia).

Além disso, trabalhamos com vários dos maiores fabricantes de tratores e máquinas agrícolas do mundo. Somos uma organização muito rica que reflete toda a diversidade da Europa em termos de pessoas, idiomas, fabricantes... com os diferentes tipos de agricultura que existem. Estou a descobrir que é um setor maravilhoso.

Qual o volume de negócios absoluto da CEMA?

O volume de negócios das nossas empresas situa-se entre os 50 e os 60 mil milhões de euros. A Europa encontra-se na vanguarda mundial da produção e exportação de alta tecnologia e, enquanto outros setores o conseguem através da subcontratação para outras partes do mundo, a indústria europeia de máquinas agrícolas fá-lo quase exclusivamente aqui, o que aumenta o emprego nos países que nos rodeiam, inclusive nas zonas rurais.

Para além dessa inquestionável contribuição social, o setor das máquinas agrícolas demonstra a sua força e evolução tecnológica.

Trata-se, sem dúvida, de um setor muito dinâmico. Os meus amigos da indústria automóvel pensam que estão no topo do mundo, mas eu repito sempre que estamos dez anos à frente deles no que diz respeito às novas tecnologias. Por exemplo, lembro-me que em 1999 já existiam tratores autónomos e só há alguns anos é que esta tecnologia foi implementada nos automóveis.

Será que esta evolução é viável e terá o setor capacidade para fazer face aos investimentos exigidos pelas novas tecnologias?

A agricultura enfrenta grandes desafios, especialmente em termos de segurança alimentar, ambiente e gestão da água. Devemos ter em conta que tudo isto depende da sustentabilidade financeira dos produtores, cuja atividade deve ser rentável. Caso contrário, é o fim do jogo. Estes são desafios que estamos a enfrentar na Europa, mas não podemos abordar a questão central da sustentabilidade apenas aumentando a pressão regulamentar sobre os agricultores.

Acresce também o recente problema da inflação, causada sobretudo pelo aumento dos preços dos géneros alimentícios, o que também tem um impacto negativo e injusto na imagem dos produtores. É importante que a Europa produza alimentos suficientes para a sua própria população e não se torne dependente das importações, como já aconteceu com a energia. E, para tudo isto, é necessária mais maquinaria de alta tecnologia no terreno. Não há outra forma. Tecnologia que, obviamente, tem de ser paga, e os novos equipamentos não são baratos.

Para Wiersma, a Demoagro é um exemplo da transparência que, na sua opinião, o setor da mecanização agrícola deve transmitir...
Para Wiersma, a Demoagro é um exemplo da transparência que, na sua opinião, o setor da mecanização agrícola deve transmitir.

O que é que está a acontecer para que o discurso que criminaliza a maquinaria agrícola, apontando-a como uma das culpadas até das alterações climáticas, se instale numa parte da sociedade?

O que diz é verdade. Também me apercebo do mesmo em Bruxelas. Estamos a trabalhar nisso e, recentemente, numa Comissão da Agricultura, tive oportunidade de falar com o eurodeputado irlandês Luke Ming Flanagan, membro do grupo Verdes, e ele compreendeu que a tecnologia é uma solução. Chegou mesmo a dizer que os agricultores precisam de muito mais dinheiro público para o efeito.

A ideia lançada por certos setores “verdes” de que a nossa indústria pode ser negativa não é, definitivamente, verdadeira, e temos de explicar o que podemos fazer com a tecnologia e que, com ela, podemos atingir todos os objetivos que nos propomos. Porque todos nós queremos ser sustentáveis, usufruir de preços mais acessíveis nos alimentos e comer em segurança.

Neste sentido, o que está a ser feito concretamente pela CEMA?

Enquanto representantes da indústria europeia de máquinas agrícolas, estamos a informar os políticos, os funcionários públicos e os ambientalistas sobre aquilo que podemos fazer. Cheguei à conclusão de que a nossa comunicação não deve ser tão defensiva, mas sim mais ofensiva, porque temos muito orgulho naquilo que fazemos.

Ajudamos os agricultores a serem mais sustentáveis e a fornecerem alimentos mais seguros aos mercados. Caso o pretendam, podemos conseguir, mas precisamos de ajuda, e não de encontrarmos sempre caminhos fechados. Penso que esta mensagem está a ser cada vez mais escutada em Bruxelas e congratulo-me por ver desenvolvimentos positivos.

Para além de apelar à ajuda ao investimento devido ao elevado custo do equipamento, efetuam um trabalho “educativo” para ajudar os deputados europeus a compreender a necessidade de novas tecnologias?

Há algumas semanas, vários membros da CEMA reuniram-se com Anne Bucher, diretora da Direção-geral da Saúde e Segurança Alimentar, para explicar como a tecnologia pode reduzir a aplicação de fertilizantes líquidos até 60%. Trata-se de uma grande melhoria para os agricultores, uma vez que este produto é muito caro e prejudicial para o ambiente.

Precisamos de apoio para estas soluções, porque os investimentos são muito elevados. Na Europa, a taxa de renovação deste tipo de equipamento é de 2% ao ano, enquanto na América do Norte é de 4% ao ano, e continuamos a ver nos nossos campos máquinas muito velhas - de grande qualidade, evidentemente, razão pela qual duram tanto tempo - mas que já não cumprem os requisitos ambientais que impusemos a nós próprios.

Devemos encontrar - e digo devemos porque é uma tarefa para todos, agricultores, políticos e indústria - uma solução para garantir que as novas máquinas alcançam o mercado mais rapidamente do que até agora. Não nos devemos afastar da realidade e uma das formas de o conseguir é alcançar uma “paz regulamentar”, ou seja, fala-se muito, demasiado, de novas leis a nível europeu, nacional ou mesmo regional. E isto tem um impacto paralelo: os bancos recusam-se a financiar quando observam cenários demasiado instáveis.

Tendo em conta que são, ou foram, dois mercados muito importantes para os fabricantes europeus, e que cada um apresenta ou apresentou respetivos interesses, a CEMA tem alguma posição específica em relação à guerra entre a Rússia e a Ucrânia?

Sim, claro. Estamos em sintonia com as restrições impostas pela União Europeia e pelos Estados Unidos da América. É uma situação muito difícil, porque muitas das nossas empresas que tinham feito investimentos na Rússia perderam o seu dinheiro, apesar de terem uma relação muito boa com os agricultores da Rússia, que também são vítimas da guerra. Por outro lado, alguns dos nossos parceiros estão a tentar ajudar os agricultores ucranianos a recuperar as suas terras afetadas por bombas, tornando-as novamente produtivas.

A população mundial continua a crescer e vamos precisar de terras férteis, como as da Rússia e da Ucrânia, para produzir mais alimentos. Sublinho mais uma vez a necessidade da utilização da tecnologia, que será um instrumento fundamental para este desenvolvimento.

Todos os principais fabricantes europeus de máquinas agrícolas estão representados na CEMA
Todos os principais fabricantes europeus de máquinas agrícolas estão representados na CEMA.

Que papel desempenha a CEMA no panorama de feiras europeu, tendo em conta que alguns dos principais eventos são organizados por membros da associação e que cada exposição defende, naturalmente, os seus próprios interesses?

A CEMA não toma parte nesta questão. De facto, as associações nacionais organizam feiras e estabelecem os seus próprios limites. A CEMA funciona como lobby do setor das máquinas agrícolas em Bruxelas, tal como o seu embaixador nas instituições europeias para fazer passar a nossa mensagem comum.

“A Demoagro é um exemplo perfeito de como o nosso setor abre as suas portas ao mundo inteiro”

"Estou muito feliz por ter vindo a Espanha. Fui convidado e Ignacio Ruiz e a sua equipa da ANSEMAT foram os anfitriões perfeitos. Quero agradecer-lhes publicamente. Mas aquilo que é realmente importante é o interesse que uma exposição no terreno despertou entre os agricultores. É por isso que insisto que devemos ser mais ofensivos na nossa comunicação, ser mais abertos, e a Demoagro é um exemplo perfeito de como o fazer corretamente. Ao ar livre, com acesso livre, 100% transparente. É um exemplo perfeito de como o nosso setor abre as suas portas a todos, especialmente aos agricultores.

Basta dar uma vista de olhos e ver como os profissionais gostam de testar as máquinas. Grupos de amigos agricultores entram nos tratores, experimentam-nos e aprendem mais sobre as tendências futuras com os especialistas de cada marca. É um cenário fantástico. Dou os meus mais sinceros parabéns à ANSEMAT e a toda a indústria espanhola pela Demoagro 2023.

REVISTAS

Exployo VitVI Forum

NEWSLETTERS

  • Newsletter Agriterra

    12/06/2024

  • Newsletter Agriterra

    05/06/2024

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial