Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.
Informação profissional para a agricultura portuguesa
"O ciberataque que sofremos tornou-nos mais fortes"

Entrevista com Eric Hansotia, CEO do Grupo AGCO

Ángel Pérez08/09/2022

Eric Hansotia está muito confiante no futuro após o seu primeiro ano e meio ao leme do Grupo AGCO, um período marcado por problemas gerados pela situação geopolítica internacional e, no seu caso, por um grave ataque cibernético que colocou riscos à empresa.

Eric Hansotia, CEO do Grupo AGCO, teve mais uma vez a amabilidade de dar uma entrevista exclusiva à Interempresas Media (da qual faz parte a editora portuguesa Induglobal a que pertence a Agriterra), neste caso imediatamente após a Conferência Internacional de Imprensa em Wadenbrunn (Alemanha) por ocasião da apresentação dos tratores Fendt 700 Vario Gen7.

Só pôde passar alguns minutos connosco, tempo suficiente para responder a várias perguntas antes de partir para a América do Norte.
foto
O CEO da AGCO vê um futuro positivo para o setor agrícola.

Após o primeiro ano e meio à frente dos destinos da AGCO Corporation, que balanço faz, tendo em conta que assumiu o cargo a meio da pandemia?

Sim, coincidiu com um período muito difícil para todos nós. Mas estou plenamente confiante, porque a minha equipa está a trabalhar com os agricultores tentando lidar melhor com a situação, oferecendo-lhes toda a nossa tecnologia e novos serviços. Estes são tempos muito bons para a agricultura e nós podemos ajudar.

Com a Fendt, também utiliza o conceito Full-Line, mas faltam-lhe alguns implementos importantes. Tem planos para adquirir um fabricante especializado? Porque já existem rumores no mercado há algum tempo, mas nenhum deles foi confirmado.

Neste momento, já temos um extenso catálogo que inclui equipamento de enfardamento, ceifeiras, etc., estamos agora a acrescentar o semeador Momentum... Ainda estamos interessados em expandir a nossa gama de produtos e estamos a trabalhar nesse sentido.

A este respeito, tenciona continuar a trabalhar e a demonstrar interesse em startups capazes de oferecer soluções inovadoras adequadas ao seu catálogo?

Claro que sim. No ano passado incorporámos seis novas empresas (startups) e este ano já temos mais duas que oferecem soluções disruptivas que convidamos a participar em programas de desenvolvimento a fim de oferecer novas e melhores ferramentas e soluções aos agricultores.

O que podem os fabricantes de maquinaria agrícola fazer para que a população urbana veja o trabalho dos agricultores e, em particular, a utilização da tecnologia com outros olhos?

Precisamos de ajudar a melhorar a reputação dos agricultores na sociedade urbana, e reconhecer o seu trabalho essencial e a sua contribuição crucial para a preservação do ambiente e dos recursos. Estão na vanguarda da resolução de problemas emergentes, tais como a redução das emissões poluentes, o sequestro de carbono ou a conservação adequada do solo. É um grande desafio assegurar que os agricultores sejam vistos nas cidades com este papel.

No passado dia 5 de maio, o Grupo AGCO sofreu um ataque informático que afetou o negócio global. Como ultrapassaram o problema?

Sofremos um ataque de uma organização de ciberataque muito profissional. Encerramos rapidamente todos os nossos sistemas. Evidentemente, não pagámos qualquer resgate. Pedimos a ajuda de outras empresas com experiência neste campo e conseguimos que tudo voltasse a funcionar. Isto tornou-nos mais fortes porque estamos mais bem preparados para tais situações.
foto
Hansotia na Conferência de Imprensa Internacional da Fendt em Wadenbrunn, Alemanha, a 26 de agosto.

Outro problema que afeta a indústria em geral é a disponibilidade de peças e evitar interrupções nas linhas de montagem. Como estão a viver esta realidade?

As reações dos nossos fornecedores são muito curtas, dentro de 5-10 dias úteis. Com tão pouca antecedência, somos notificados de que um componente não está disponível. No entanto, continuamos a produção mesmo que faltem algumas peças (equipamento, fichas, etc.). Conseguimos manter a atividade porque o nosso stock em armazém era relativamente grande. Agora, durante as férias de um mês, conseguimos terminar 2.000 tratores que tínhamos em atraso. Mas a nível global, as cadeias de abastecimento não estão a funcionar corretamente e este problema pode continuar por mais dois anos.

Quais são os planos da empresa para os sistemas de condução automatizados?

Fala-se muito de autonomia. Pensamos que estes sistemas desempenharão um papel muito importante no futuro. Há ainda muitas coisas a serem afinadas, queremos ir passo a passo. Por enquanto, estamos a acrescentar funções de “piloto automático” para tornar as máquinas mais eficientes. Alcançar a plena autonomia ainda vai demorar muito tempo.

No entanto, o projeto do trator elétrico ainda está no bom caminho.

É isso mesmo. O projeto E-100 prevê um trator totalmente elétrico de 80 CV, que pode ser utilizado para trabalhos municipais, viticultura, estufas, etc. Oferece cerca de 4 horas de carregamento com tecnologia de 700 V.

“Estamos com a Ucrânia”

Eric Hansotia e a AGCO Corporation como um todo tomaram uma “posição clara com todo o povo da Ucrânia”, durante os meses de conflito com a Rússia.

“Ajudamos especificamente trabalhadores, comerciantes e agricultores a sobreviver em tempos tão maus. É um esforço de equipa”, sublinhou.

Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.Agrogarante - Sociedade de Garantia Mútua, S.A.

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

Responsable: Interempresas Media, S.L.U. Finalidades: Assinatura da(s) nossa(s) newsletter(s). Gerenciamento de contas de usuários. Envio de e-mails relacionados a ele ou relacionados a interesses semelhantes ou associados.Conservação: durante o relacionamento com você, ou enquanto for necessário para realizar os propósitos especificados. Atribuição: Os dados podem ser transferidos para outras empresas do grupo por motivos de gestão interna. Derechos: Acceso, rectificación, oposición, supresión, portabilidad, limitación del tratatamiento y decisiones automatizadas: entre em contato com nosso DPO. Si considera que el tratamiento no se ajusta a la normativa vigente, puede presentar reclamación ante la AEPD. Mais informação: Política de Proteção de Dados

agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial