Filsa: controladores de nivel para sólidos y líquidos
Informação profissional para a agricultura portuguesa
"Portugal é um mercado muito importante para nós"

Entrevista com Custodio López, Country Manager para Portugal da Hispatec

Ana Clara22/06/2022

A Hispatec, empresa que desenvolve soluções digitais para a agricultura, abriu recentemente uma sucursal em Portugal. Nesta entrevista, Custodio López fala-nos desta aposta no mercado nacional e antecipa um “futuro brilhante” para o setor agrícola do nosso País. O responsável aborda ainda a importância que a agricultura de precisão tem na tomada de decisões, na otimização de processos e no planeamento e gestão das culturas. Exemplo disso é a Margaret, a plataforma de inteligência artificial da Hispatec, concebida para integrar diversas fontes de dados, e que agrega um considerável valor acrescentado para a gestão operacional das empresas relacionadas com a agricultura.

foto

“A abertura do nosso escritório em Portugal é um passo que irá consolidar a nossa realidade no País”, diz Custodio López.

Hispatec é uma empresa de tecnologia para o setor agroalimentar. Qual é a sua principal atividade, nomeadamente na área de software para a agricultura?

A Hispatec desenvolve ferramentas digitais de alto valor para a agricultura, desde a semente até ao mercado final. Graças às nossas soluções, cerca de 500 empresas em todo o mundo, incluindo várias empresas portuguesas, podem gerir os seus custos e riscos, tornando as suas organizações mais sustentáveis em três dimensões: económica, social e ambiental.

As ferramentas digitais da Hispatec permitem conhecer o impacto real de todos os recursos e ações realizadas desde o dia de instalação da exploração até ao dia em que o produto chega ao cliente. Os nossos clientes conhecem o custo de cada quilo de cada parcela (de cada variedade e ano de plantação) e o custo de cada encomenda colocada nos seus armazéns. Além disso, dispõem desta informação em tempo real e em qualquer dispositivo graças à integração com sensores, sistemas conectados e ferramentas de gestão digital. Desde o campo até ao mercado.

Graças a esta informação, a tomada de decisões é muito mais precisa. Planear operações e otimizar o consumo de água, produtos fitossanitários, fertilizantes, mão-de-obra ou maquinaria significa melhorias diretas na rentabilidade da empresa de citrinos, do ambiente e da sociedade que a ela se relaciona, permitindo um alinhamento claro com as preferências dos consumidores.

Sobre a nova sucursal em Portugal, quais são os seus objetivos e expectativas em relação ao mercado português?

Portugal é um mercado muito importante para nós, pois não é apenas um produtor e exportador de culturas de alto valor, mas tem também um conceito totalmente global, com empresas que operam em múltiplos países. Os nossos instrumentos adaptam-se muito bem a esta realidade, na qual uma única empresa gere explorações agrícolas em diferentes locais e também comercializa os produtos de uma forma distribuída.

A abertura do nosso escritório em Portugal é um passo que irá consolidar a nossa realidade no país, onde já temos pessoal e vários clientes de classe mundial. O escritório permitir-nos-á servir ainda melhor o mercado potencial e os nossos atuais clientes.

Em termos dos nossos objetivos, queremos tornar-nos a primeira escolha para as empresas portuguesas que desejem digitalizar as suas operações em qualquer território. O mercado português, embora não esteja entre os maiores da Europa, é constituído por agentes que operam a um nível global com normalidade, algo que coincide com a nossa proposta tecnológica. 

Como vê o potencial do setor agrícola português?

Nos últimos anos temos visto a agricultura portuguesa mostrar vários indicadores positivos que a posicionam como um mercado muito interessante para nós. Por um lado, muitas das principais culturas do país fazem parte do nosso campo de ação: fruta, legumes, frutos secos e azeite. Por outro lado, estamos a ver como a dimensão média das explorações agrícolas está a aumentar graças à consolidação de grupos de produção de dimensão cada vez maior.

A nossa experiência global é que a combinação do aumento da dimensão e a introdução da tecnologia como catalisador de uma boa gestão pode aumentar muito a eficiência e a produtividade, não só aumentando a competitividade, mas também reduzindo o impacto ambiental da atividade agrícola.

Se acrescentarmos a isto a abertura aos mercados globais, estamos convencidos do futuro brilhante que se avizinha para a agricultura portuguesa. Com a abertura do nosso escritório no país, queremos humildemente ajudar as empresas portuguesas a alcançar o posicionamento internacional que merecem.

foto

As soluções Hispatec centram-se exclusivamente na digitalização da produção e comercialização de frutas e legumes ou também para outras áreas agrícolas?

Os nossos instrumentos destinam-se a toda a rede agroalimentar porque nenhuma empresa agrícola é hoje em dia uma ilha. A produção e comercialização de produtos agrícolas envolve múltiplos agentes que, por sua vez, geram milhares de dados: sensores, fornecedores de máquinas, clientes, satélites, administrações públicas, fontes externas de informação, sistemas logísticos. Por esta razão, a Hispatec tem uma verdadeira vocação para a integração com os sistemas existentes em cada organização.

O nosso principal produto, como diz, é o ERPagro, o sistema modular para gerir toda a atividade pré e pós-colheita. Este sistema é alargado por pedidos de planeamento e execução de operações de campo, bem como por pedidos específicos de coordenação entre os agricultores e as organizações das quais eles são fornecedores.

A logística agroalimentar é também um foco específico de um dos nossos produtos, proporcionando aos nossos clientes uma plataforma abrangente para assegurar a qualidade dos seus produtos até ao mercado de destino.

Temos também uma divisão específica que desenvolve ferramentas para a indústria auxiliar acima referida. Laboratórios, certificadores, companhias de seguros e administrações públicas são alguns dos clientes desta divisão, que a Agrosales criou. Um produto específico para empresas de input que realizam a sua atividade técnico-comercial com agrónomos que fazem recomendações aos produtores no terreno.

Margaret: uma plataforma de inteligência artificial

O que é a Margaret, a primeira plataforma de inteligência artificial agroalimentar no mercado?

A Margaret é a nossa plataforma de inteligência artificial. É capaz de integrar qualquer fonte de dados externa com os gerados pelos próprios sistemas da empresa para, após passar pelos motores de análise geográfica e algoritmo, gerar a inteligência de decisão avançada que os gestores de empresas agrícolas necessitam.

Estamos a falar de utilizar os dados de cada organização, de fazer sentido e de os tornar coerentes, de acrescentar dados externos e de tirar conclusões de elevado valor para a empresa. Margaret responde a perguntas tais como: quanta colheita vou ter em duas semanas, e num mês, qual vai ser a minha procura nas próximas semanas, ou o que devo fazer para aumentar o calibre da minha produção? Tudo isto permite uma atribuição de recursos muito mais eficiente: matérias-primas, mão-de-obra, negociação comercial, etc.

Além disso, a Margaret permite a integração das suas funções e resultados nas ferramentas, dispositivos ou aplicações de gestão que o cliente precisa. Desta forma, a Margaret é uma ferramenta perfeita para a integração de múltiplos sistemas.

foto

O futuro é cada vez mais digital e eficiente. Como imagina a evolução da agricultura digital em Portugal?

Como disse anteriormente, a agricultura portuguesa tem vindo a evoluir muito positivamente nos últimos anos e acreditamos que continuará a fazê-lo. Da nossa experiência em mais de 30 países em todo o mundo, sabemos que esta evolução se baseia na tomada de decisões operacionais e estratégicas baseadas em dados e em tempo real.

A digitalização atinge precisamente isso, medindo. Porque o que não é medido não pode ser melhorado. A utilização de sensores e o uso de aplicações para gerir explorações agrícolas está a tornar-se cada vez mais comum, mas o passo seguinte e final é ter sistemas que integrem todos os processos em vez de utilizar sistemas isolados para cada processo ou atividade.

Que outras soluções desenvolve a empresa?

Para além dos nossos produtos específicos e utilizáveis, estamos constantemente a gerar novas soluções. Por um lado, graças ao nosso conhecimento exaustivo da realidade agrícola, somos abordados por organizações relacionadas com a produção e comercialização para fornecer 'luz digital' às áreas escuras - ou seja, não digitalizadas - da sua atividade. Desenvolvemos ferramentas específicas para empresas certificadoras como a Global GAP, laboratórios como a AGQ Labs, bem como empresas de sementes, fitossanitárias, bioestimulantes e de ensaios.

Por outro lado, a Hispatec dedica anualmente cerca de um milhão de euros a projetos de I&D que acabam por gerar produtos específicos que representam grandes avanços tecnológicos no nosso setor.

A Hispatec tem sido o parceiro tecnológico de centenas de empresas em mais de 30 países há mais de 35 anos. Como resultado, estamos cientes das necessidades reais das empresas do nosso setor. Os nossos produtos destinam-se a resolver estas necessidades da forma mais sustentável e eficiente possível.

Syngenta Crop Protection, Lda.SFCOLAB - Laboratório Colaborativo para a Inovação Digital na AgriculturaChaparro Agrícola e Industrial, S.L.Agrogarante - Sociedade de Garantia Mútua, S.A.

Subscrever gratuitamente a Newsletter semanal - Ver exemplo

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

agriterra.pt

Agriterra - Informação profissional para a agricultura portuguesa

Estatuto Editorial