BASF Portuguesa, S.A.
Um exclusivo Continente

Real Companhia Velha reforça vinhos DOC Douro com ‘Feitoria Reserva’ branco e tinto

Redação Induglobal08/04/2021

Sob uma marca histórica, a Real Companhia Velha lançou recentemente uma nova referência de vinhos DOC Douro: ‘Feitoria Reserva’ tinto, com estreia na colheita de 2017. À venda em exclusivo no Continente, numa parceria já com resultados bastante positivos. Prova disso foi a consequente chegada do ‘Feitoria Reserva’ branco 2019 às prateleiras.

foto

O ‘Feitoria Reserva tinto’ e o ‘Feitoria Reserva branco’ são dois vinhos com perfis assumidamente durienses e uma imagem muito atual, que vieram para ficar. “Uma dupla que representa a homenagem da Real Companhia Velha (RCV) a um marco – literalmente falando – tão antigo, refletida em vinhos de grande caráter e complexidade, feitos com uvas de castas autóctones com origem em parcelas selecionadas”, afirma a empresa em comunicado.

O ‘Feitoria Reserva’ branco (PVP - €12,99), da colheita de 2019, é um ‘blend’ de Viosinho, Arinto e Rabigato, fermentado em cubas inox e estagiado em barricas de carvalho francês, por um período de seis meses.

Produzido com Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz e Tinta Barroca, o ‘Feitoria Reserva’ tinto 2017 (PVP - €12,99) segue o mesmo processo do branco, com fermentação em cubas inox, seguida de um ano de estágio em barricas de carvalho francês.

‘Feitoria’: a marca que nasce de um marco

“A marca ‘Feitoria’ faz referência à designação histórica pela qual eram conhecidos os vinhos da região do Douro, a Demarcação de Origem Controlada mais antiga do mundo. Depois da primeira Demarcação do Alto Douro Vinhateiro, em 1756, os vinhos produzidos no Douro eram chamados de ‘Vinhos de Feitoria’”, explica a RCV.

“Em 1758, sob a jurisdição da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (também denominada Real Companhia Velha), foram instalados 201 marcos de feitoria e, em 1761, procedeu-se à colocação de mais 134. Numerados de 1 a 335, os marcos eram ‘guardiões silenciosos’ das fronteiras da Região Demarcada do Douro, delineando os doze concelhos com autorização para produzir vinho do Porto. Feitos em granito, com formato retangular, cerca de dois metros de altura, trinta centímetros de largura e vinte de espessura, estes ícones da mais antiga região vitivinícola demarcada do mundo foram classificados como imóveis de interesse público em Outubro de 1946. Neles exibem a inscrição de “Feitoria”, o algarismo da numeração do marco e o ano da sua colocação”, refere o comunicado.

A empresa acrescenta que “uma investigação do Museu do Douro, feita em 2007, concluiu que dos 335 marcos pombalinos colocados no Douro, apenas 105 estavam referenciados. Um deles foi preservado pela Real Companhia Velha e pode ser visto no seu Museu da 1.ª Demarcação, situado no centro de visitas 17.56 Museu & Enoteca da Real Companhia Velha, em Gaia”.

Chaparro Agrícola e Industrial, S.L.VI Colóquio Nacional de produção pequenos frutos 21 - 22 maio 2021 onlineADP FertilizantesJaba: tradução 4.0FNA: Feira Nacional de Agricultura 9 a 13 Junho 21Agroglobal setembro 2021

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

agriterra.pt

Agriterra - Informação para o agricultor de Portugal

Estatuto Editorial