Filsa: controladores de nivel para sólidos y líquidos

Produção de azeitona para azeite diminui 25% - INE

Redação Agriterra19/02/2021
Dados constam das previsões agrícolas, em 31 de janeiro de 2021, divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
foto
As previsões agrícolas, em 31 de janeiro, apontam para uma diminuição de 25% na produção de azeitona para azeite, essencialmente devido ao fraco vingamento dos frutos. Apesar disso, as 734 mil toneladas previstas posicionam esta campanha como a sexta mais produtiva das últimas oito décadas.

Com a colheita da azeitona praticamente concluída, os cenários são regionalmente heterogéneos.

De uma forma geral, no início do ciclo, e após uma boa floração, o vingamento não decorreu nas melhores condições e a carga de frutos inicial foi inferior à da campanha anterior.

No entanto, no interior Norte e Centro, a precipitação que ocorreu próximo do final do ciclo produtivo dos olivais conduziu a um aumento do calibre da azeitona, proporcionando uma recuperação em muitos olivais tradicionais de sequeiro, perspetivando-se aumentos de produção face a 2019.

Pelo contrário, no Alentejo, região onde os olivais modernos de regadio têm um peso muito significativo (e, consequentemente, a influência da ocorrência de precipitação na produção final é muito menor), foram as condições iniciais, nomeadamente o vingamento, que determinaram a evolução da campanha, menos produtiva que a anterior.

Globalmente estima-se uma diminuição de 25% da produção de azeitona para azeite, face a 2019. De salientar que, apesar do rendimento da azeitona em azeite (funda) ser menor que o alcançado no ano anterior, o produto final apresenta qualidade organolética e química dentro dos parâmetros normais.

Não obstante a diminuição registada, a produção permanece a níveis bastante elevados (será, previsivelmente, a sexta maior produção das últimas 80 campanhas), continuando claramente a evidenciar o fenómeno de safra/contrassafra (manifestação de alternância produtiva anual).

Baixas temperaturas limitam desenvolvimento de pastagens e forragens

Os prados, pastagens e culturas forrageiras registaram um desenvolvimento vegetativo residual, habitual no inverno devido às baixas temperaturas e formação de geadas. O início de ciclo decorreu com normalidade, com boa germinação e povoamentos homogéneos, embora algumas pastagens mais sensíveis ao frio (por exemplo, com mais luzerna) apresentem uma coloração acastanhada.

Como é comum nesta altura, a matéria verde das pastagens é insuficiente para suprir totalmente as necessidades forrageiras dos efetivos pecuários explorados em regime extensivo, sendo por isso suplementados com fenos, palhas, silagens e/ou alimentos concentrados, em quantidades que se consideram normais para a época do ano e muito semelhantes ao registado em igual período do ano anterior.

Área dos cereais de inverno com tendência para estabilizar

As sementeiras dos cereais de outono/inverno foram condicionadas pelos períodos de precipitação de novembro e dezembro, registando-se a interrupção destas operações quando as condições não eram agronomicamente aceitáveis (solos encharcados). Apesar disso, prevê-se que a área semeada seja semelhante à da campanha anterior para o trigo, triticale, cevada e aveia, e que registe uma diminuição de 5% no centeio.

Estas previsões apontam para uma tendência de estabilização da área semeada de cereais de inverno que, desde 1986, decresceu a um ritmo médio anual próximo dos 6%.

VI Colóquio Nacional de produção pequenos frutos 21 - 22 maio 2021 onlineAgroglobal setembro 2021Jaba: tradução 4.0

Subscrever a nossa Newsletter

Password

Marcar todos

Autorizo o envio de newsletters e informações de interempresas.net

Autorizo o envio de comunicações de terceiros via interempresas.net

Li e aceito as condições do Aviso legal e da Política de Proteção de Dados

agriterra.pt

Agriterra - Informação para o agricultor de Portugal

Estatuto Editorial